segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Evolução Pela Alimentação - História da Alimentação Humana

Oi Tucas!

Título impactante né! Bem, eu resolvi que esse ano vou incluir informações verídicas e que tenham serventia, relacionadas à nutrição, assim tiro muitas dúvidas que você nem sabia que tinha. Então vamos começar com um resumo sobre a nossa evolução, tomando como diretriz à alimentação. É baseado em um vídeo da Discovery e eu espero que vocês gostem! :)
Bjo da Paty

O vídeo da emissora Discovery, com o tema: Evolução Pela Alimentação nos mostra o quanto os humanos evoluíram através que algo tão corriqueiro, porém essencial e poderoso que é o ato de se alimentar e levantou algumas questões que podem explicar tal evolução.

Inicialmente os nossos primeiros ancestrais habitavam a África, e encontrar o que comer era uma atividade de extrema importância, pois sem comida um ser humano sobrevive por aproximadamente um mês. Nós possuímos sentidos que nos permitem encontrar o que comer, e graças ao sol, temos muitas opções para buscar já que o sol nutri as plantas, que nos alimenta e alimenta aos animais e assim se tornando de grande importância no ciclo evolutivo. A três primeiras regras básicas de sobrevivência é comer, sobreviver e reproduzir, e quando a primeira regra não é seguida dificilmente se alcança as outras.
Há aproximadamente seis milhões de anos a alimentação dos nossos ancestrais eram baseadas em frutas, tubérculos, vegetais e sementes, assim como a maioria dos primatas (Bonobos, por exemplo) os humanos são onívoros, e apesar de grande parte da dieta ser composta por vegetais, se necessário e em raras ocasiões podem recorrer á caça.
Inicialmente os ancestrais dos humanos se alimentavam de restos e carcaças de animais mortos, e como era difícil perfurar a carne com os dentes, foram criados artefatos de pedra para poderem rasgar a carne de maneira mais fácil. Milhões de anos depois foram desenvolvidos armas para a caça como facas, lanças, paus e pedras. E a partir daí os ancestrais humanos poderiam ir a qualquer lugar em busca da caça, dando a eles uma grande vantagem na busca pela sobrevivência.
Na Groelândia, por exemplo, por quase não existir vegetação comestível para os humanos, os Inuítes (Nação indígena esquimó) sobrevivem à base de carne da caça e até os dias de hoje essa cultura é difundida nessa região. Tendo a caça como uma grande inovação, os ancestrais poderiam agora encontrar alimentos em qualquer parte do planeta, tornando a caça um passaporte para que povoassem o mundo inteiro.
A partir daí, grupos de pessoas foram migrando para outras partes do mundo, e essas pessoas foram mudando suas características físicas, o nutriente fundamental para essa mudança foi a vitamina D, essencial na formação dos ossos, que alterou os genes desses ancestrais de acordo com as latitudes onde se encontravam, uma vez que a alimentação e a incidência do sol nessas pessoas se modificavam, tornando a pele mais clara ou mais escura de modo a receber mais ou menos vitamina D.
Há cerca de dois milhões de anos, os ancestrais humanos passaram a caçar animais grandes. E a meio milhão de anos com o controle do fogo, os ancestrais passaram a assar a carne antes de comer, com isso devido às transformações químicas sofridas pelas proteínas a alimentação passou a ser mais nutritivas e alimentos antes venenosos, após cozidos passaram a se consumidos com segurança. Com isso a digestão passou a ser mais rápida e mais nutritiva, fazendo com que os ancestrais humanos evoluíssem de maneira que o cérebro e o crânio aumentaram de tamanho e a mandíbula e os dentes reduziram de tamanho, uma vez que a mastigação se tornou facilitada com a nova alimentação cozida e mais macia.
Cada vez mais as pessoas foram evoluindo, a ponto de viverem lado a lado com os animais que serviam de caça, dando início à domesticação de animais e plantas. Com isso os humanos passaram a ser dependentes dos animais para sobreviver e os animais passaram a ser dependentes dos seres humanos para sobreviver, e fazendo com que o organismo dos humanos se modificasse digerindo alimentos como o leite e seus derivados, as quais anteriormente ele era intolerante.
Assim, com a definição de gosto por comidas, os humanos passaram a fazer modificações nos alimentos, como por exemplo, a cenoura, originalmente a cenoura não é cor de laranja, há 300 anos um fazendeiro holandês modificou a cor da cenoura em homenagem a família real.
E criando raízes os humanos fizeram surgir à civilização, e a partir daí a sua evolução foi cada vez maior. No sul da Turquia, teve origem o pão de trigo e a evolução para o que chamamos de agricultura. E nessa mesma civilização se evidenciou o aumento do número de doenças contagiosas ou não que levava os habitantes à morte, e também com a facilidade de ter aquilo que eles poderiam criar a busca por novos alimentos diminuiu, causando desnutrição nos habitantes.
Na era do mingau uma nova estrutura corporal foi se formando, com nova modificação craniana, dental e mandibular.
Com o tempo foi aumentando a população e a água foi ficando cada vez mais escassa em algumas civilizações, e na civilização egípcia e suméria se popularizou o uso da cerveja, que além de nutritiva era fonte de água limpa, uma vez que na fermentação a bactéria na levedura mata boa parte dos organismos infecciosos. E graças a cerveja, as cidades cresceram ainda mais e a comida passou a ser algo cultural de cada povo.
Com a invenção do fogão, panelas e utensílios, nasciam novas formas de se cozinhar e nasciam as receitas. E com os avanços dos descobrimentos de outras civilizações, o acesso à diversos tipos de comidas se tornou mais fácil, aumentando em quantidade e em qualidade.
E nos dias de hoje a comida vai da sobrevivência ao esporte, a comida se tornou um produto industrial. Em milhões de anos os humanos alteraram tudo que se come hoje de forma a desafiar a mãe natureza.
“O que se sabe é que à medida que o relacionamento com a comida evoluir, continuará a mudá-la, assim como ela continuará a mudar os seres humanos.”
                                                                             Greg (Apresentador do Documentário)